O cimento que suga gás carbônico

Uma nova técnica de produção do cimento poderia reverter seu papel ambiental, passando de poluidor (emissor de CO2, responsável pelo efeito estufa) em purificador (absorvendo o mesmo CO2 da atmosfera). Uma reviravolta que se baseia nos recifes de corais.


Historical-Emissions.preview copy

A fonte de gases do efeito estufa que mais cresce atualmente, surpreendentemente, é o cimento – na verdade, ele já é a terceira maior fonte (nos Estados Unidos) de emissão de CO2 na atmosfera: mais de 2 bilhões de toneladas por ano. Fabricar uma tonelada de cimento libera uma tonelada (ou mais) de CO2.

co2_country_a2_2030-max copy

Para mudar isso, a empresa Calera desenvolveu uma técnica de fabricação de uma variedade de cimento baseada no carbonato de cálcio, num processo que utiliza CO2, revertendo a equação: “Para cada de cimento que fabricamos, sequestramos meia tonelada de CO2 “, afirma o cristalógrafo e professor da Universidade Stanford, Brent Constantz, fundador da Calera. “Esta é provavelmente a melhor técnica de captura e armazenamento de carbono” – uma estratégia (de reverter a emissão de CO2 na atmosfera) que o Painel Intergovernamental para Mudança Climática definiu como prioritária para o futuro da humanidade.

beautiful-coral

O processo basicamente mimetiza a formação de corais, que formam seus recifes absorvendo cálcio e magnésio da águas marinhas e utilizando-os para formar carbonatos – em temperatura ambiente. “Estamos transformando CO2 em ácido carbônico e então gerando carbonato”, diz Constantz  “Basicamente só precisamos de água e poluição”.

mn-cementman02_p_0498787643

Resumidamente, a companhia produz calcário; de fato, é esta a cor do novo cimento: branco como a neve. Uma vez seco, pode ser utilizado em substituição ao cimento Portland para a produção de concreto e em todas as suas utilizações, de estradas a edificações.

copy

A água do mar é utilizada, portanto, para captar o CO2, resultando em uma água livre de cálcio e magnésio (ideal para processos de dessalinização) e inócua, podendo ser devolvida ao oceano.

Fontes: scientificamericansanfranciscochronicle.

Anúncios

Sobre Vitor Souza

tem 25 anos é formado em Engenharia Ambiental e Sanitária. @vitorhc_ E-mail Site Save no Facebook

Publicado em 13/11/2011, em Meio Ambiente e marcado como , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 1 comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: